Oprah descobre o segredo da sabedoria atemporal de Paulo Coelho

práticas espirituaisAutor de um dos livros mais populares desta ou outra língua, Paulo Coelho viveu o percurso mítico de autodescoberta em que ficcionalizou , um dos guias espirituais mais populares de Oprah. Agora ele está falando sobre sonhos, destino e a única coisa que ele acredita que nos fará felizes. Acredite ou não, foi Madonna quem me apresentou pela primeira vez ,

1996. Ela me contou sobre o tap durante um tap Die Oprah Winfrey-Show que era seu livro favorito - realmente, ela continuava falando sobre ele. Eu pensei, 'Bem, eu tenho que ler o livro que mudou a vida de Madonna.' Sim, e desde então estou morrendo de vontade de entrevistar seu autor, Paulo Coelho.



O Alquimista é a história de um jovem pastor andaluz que, depois de sonhar em encontrar um tesouro nas pirâmides do Egito, vende o seu rebanho e embarca numa viagem cheia de coragem e intuição que dá início a todas as nossas viagens. O livro tocou-me tanto que o passei a todas as pessoas que conheço e depois a todas as pessoas que conheço. vocês

sabe. É o tipo de livro que você deseja compartilhar com o mundo inteiro. É por isso que vendeu mais de 65 milhões de cópias e traduziu para mais de 80 idiomas desde que foi publicado pela primeira vez em 1988.

Embora não se considere um guia espiritual, Paulo Coelho tem sido um dos meus grandes mestres. Eu ainda mantenho O Alquimista ao lado da minha cama e continuo encontrando outras pessoas que fazem o mesmo. (Recentemente Pharrell Williams me disse que também é um de seus livros favoritos.) Pouco depois disso, tive o privilégio de finalmente sentar-me com o brasileiro Coelho em sua casa em Genebra (a melhor palavra para esta cidade é.) civilizado , aliás - nem vi um grão de lixo nas ruas!). Ele me cumprimentou com rosas, champanhe rosa e uma variedade de pratos preparados por sua amada esposa, Christina Oiticica, uma artista. Então começamos a conversar e fiquei encantado ao saber que a paixão e a convicção que o levaram a escrever este livro verdadeiramente inspirado ainda dominam sua vida hoje.



OPRAH: Estou tão feliz por estar aqui



PAULO: Obrigado por ter vindo. Meu Deus.

OPRAH: 'Meu Deus' está certo. Estou aqui com o homem que escreveu O Alquimista

!

PAULO: Mas eu não sou um guru.

OPRAH: Eu sei - você não é um guru.

PAULO: Não não não não não.

OPRAH: Você é apenas um escritor e um professor e um ...

PAULO: Um aluno definitivo.

OPRAH: Absolutamente. Então, no ano passado foi o 25º aniversário de O Alquimista. E realmente é um fenômeno. Tentei descrever para alguém hoje - e a palavra que usei foi Talismã. Realmente se tornou um talismã para muitas pessoas. Não importa quantas vezes eu li; Sempre consigo algo diferente disso. Isso está acontecendo com você. Você leu novamente?

PAULO: Muitas vezes. E muitas vezes fico surpreso: como escrevi este livro? Porque eu não era o melhor escritor. Ainda não sou o melhor escritor.

OPRAH: É verdade que você escreveu em duas semanas?

PAULO: sim. E então escrevi o título. E então escrevi as duas primeiras páginas. A primeira frase é: 'O nome do menino era Santiago'.

OPRAH: Lei.

PAULO: Porque eu era fascinado por Ernest Hemingway . O personagem principal deste livro também se chama Santiago.

OPRAH: Eu gostaria de saber se você o nomeou em homenagem à estrada na Espanha, El Camino de Santiago, sobre a qual escreveu em seu livro .

PAULO: Não, era sobre Hemingway.

OPRAH: E O Alquimista não foi um best-seller instantâneo.

PAULO: Isso é verdade. Pouco depois de ser lançado, meu editor disse: 'Não vende'. E eu disse: 'Dê-lhe algum tempo', e eles disseram: 'Não, não, não. Este livro nunca funcionará. 'Mas há uma frase no livro que diz:' Se você quer algo, todo o universo conspira para ajudá-lo a alcançá-lo. '

OPRAH: E.

PAULO: E eu pensei: 'Eu escrevi isso. Eu tenho que viver por essas palavras. '

OPRAH: Impressionante. A capa da edição do 25º aniversário da O Alquimista. Originalmente escrito em português, já foi traduzido para mais de 80 idiomas.
PAULO: Então comecei a bater nas portas. E, Oprah, acredite em mim quando digo que na primeira porta que bati - era uma editora muito importante no Brasil - um homem abriu e eu disse: 'Eu tenho um livro. Não é um manuscrito de gênio, mas acredito que vai vender. E o cara disse: 'Ok, vou postar'. Três anos depois, quando o livro vendeu meio milhão de exemplares no Brasil, perguntei por que ele havia republicado um livro que já havia fracassado. E ele disse: 'Não sei'.

OPRAH: Isso parece incrível. Como o destino.

PAULO: Absolutamente. O que eu acredito - destino.

OPRAH: Você sabe, o estudioso Joseph Campbell escreve sobre a jornada do herói: o aventureiro sai de casa, supera obstáculos, alcança grandes coisas e depois volta para casa para compartilhar sua sabedoria recém-descoberta. E essa é a história de Santiago também.

PAULO: E.

OPRAH: Por que você acha que as pessoas reagem tão profundamente à jornada do herói?

PAULO: Porque todo mundo quer fazer isso. No entanto, as pessoas não.

OPRAH: Porque eles estão com medo.

PAULO: Tu es.

OPRAH: Quando o pai de Santiago tenta convencê-lo a não ir no início do livro, o menino percebe que seu pai deseja é tinha desaparecido. Você escreve: “Ele deu a bênção ao menino. O menino podia ver nos olhos do pai a vontade de viajar o mundo sozinho - um desejo que ainda estava vivo, embora seu pai tivesse que enterrá-lo por dezenas de anos sob o peso da luta por água, beber, comer ... “ A maioria das pessoas se apega ao fardo e perde o sonho.

PAULO: Mas sempre há uma criança interior que diz: 'Ei, você se lembra daquele sonho?'

OPRAH: E a verdadeira coragem é viver esse sonho. Esta é realmente a única coragem de que você precisa.

PAULO: sim. Tenho muitos medos, Oprah, mas ainda estou tentando realizar meu sonho de me tornar um escritor. Quando você escreve livros, você enfrenta desafios. Já vi tantos escritores paralisados ​​pelo fracasso, mas também pelo sucesso. Você escreveu um livro de sucesso e depois parou de escrever. Continuo escrevendo porque estou animado com meu trabalho.

OPRAH: Você acabou de publicar seu 31º livro, .

PAULO: Você sabe que eu nem conto!

OPRAH: Então você nunca teve medo de não ser capaz de repetir o fenômeno O Alquimista ?

PAULO: Esforço. O Alquimista só acontece uma vez na vida. Eu tinha livros que não vendiam. Mas continuo escrevendo.

OPRAH: O seu sonho também - o seu sonho de se tornar um escritor - é o mesmo que você diz em O Alquimista como uma lenda pessoal?

PAULO: Uma lenda pessoal é o motivo de você estar aqui. É simples assim. Você pode preencher suas horas e dias com coisas sem sentido. Mas você conhece Você tem uma razão para estar aqui. É a única coisa que te excita.

OPRAH: Eu chamo isso de sua vocação pessoal.

PAULO: sim. E você sabe que, quando falta entusiasmo, você trairá sua lenda pessoal.

OPRAH: E você acredita que todos nós temos um. Descreveu-se como 'hippie' em 1971 no Grand Canyon.
PAULO: Estou 100% convencido. O que é completamente diferente de acreditar que todos vão Preencha sua lenda pessoal. Mas acho que sabemos nossa razão de estar aqui. Não sabemos se estamos seguindo exatamente os passos certos para fazer isso. Mas se você for honesto o suficiente, Deus o guiará. Mesmo que você dê alguns passos errados ao longo do caminho, Deus verá que você tem um coração puro e o colocará de volta no caminho certo.

OPRAH: O universo vai subir para encontrar você.

PAULO: E.

OPRAH: Tão cedo em O Alquimista, Santiago fala sobre a maior mentira do mundo. O que é isso?

PAULO: Que você não controla sua vida - que existe um sistema, um estabelecimento que não permite que você controle nada. Você compra a maior mentira do mundo no momento em que concorda em obedecer a regras que não são suas. Quando você diz, 'eu tenho que'. Muitas pessoas estão dizendo neste momento, 'Serei diferente? Devo incomodar as pessoas? Não.' Eu te conto minha experiência. Quando decidi me tornar um escritor, meus pais tentaram de tudo para me dissuadir.

OPRAH: O que eles querem de você?

PAULO: Um engenheiro. Você tentou me subornar. Então cortaram todo o dinheiro que me deram para comprar refrigerantes. Em seguida, eles tentaram um psiquiatra. Então eles perderam a esperança e disseram: 'Esse cara é louco. Nós o amamos, mas ele é louco. - E eles me colocaram em uma instituição para doentes mentais.

OPRAH: Eles o colocaram em uma instituição mental porque você queria ser um escritor?

PAULO: Porque eu queria ser um artista. Artistas, você sabe que eles estão morrendo de fome. Eles são homossexuais. Você bebe.

OPRAH: Uau, então eles o colocaram em uma instituição para doentes mentais.

PAULO: Na verdade, três vezes porque eu escapei! Mas Oprah, deixe-me dizer a você, eles não fizeram isso por ódio. Você tentou me ajudar. Eles realmente pensaram que eu estava louco. O Brasil era uma sociedade muito regressiva. Vivíamos sob uma ditadura militar. Eles tinham medo de tudo. E aqui estava eu ​​e disse a eles que não iria para a universidade.

OPRAH: O que você aprendeu sobre você no hospital psiquiátrico?

PAULO: Bem, foi muito libertador. Percebi que estava louco, então posso fazer o que quiser! E quando algo ruim acontece, posso dizer: 'Desculpe, acabei de ir para uma instituição mental. Me perdoe.' Quando eu escapei, me tornei um hippie.

OPRAH: Sexo, drogas e rock and roll?

PAULO: Sim, e viajar. Esse foi meu primeiro contato com seu país. Eu voei para Nova York e depois viajei para San Francisco com $ 200 no bolso e sem inglês. Porque você tinha essas duas instituições - não sei se você ainda as tem - os ônibus YMCA e Greyhound.

OPRAH: E. [ Rir ]

PAULO: Pedi ao homem na rodoviária uma passagem para um lugar a oito horas de distância porque eu precisava dormir.

OPRAH: Ó meu Deus. Então você realmente se tornou um escritor naquela época?

PAULO: Decidi escrever, mas naquela época ainda era impossível. Isso é o que meus pais disseram, e agora eles estavam certos. Então comecei a escrever canções. Eu me tornei um compositor. E comecei a ganhar muito dinheiro. E então meus pais relaxaram porque eu poderia ser louca e ainda ganhar dinheiro.

Coelho e sua esposa Christina em Veneza, 2012.
OPRAH: Deixe-me ver se entendi. Sua viagem pela América foi parte de sua jornada para descobrir sua lenda pessoal?

PAULO: Um deles. Minha lenda pessoal era me tornar um escritor. E a partir desse momento, fiquei mais livre. Em 1982 eu era casado com Christina e tinha um bom emprego. Mas não fiquei feliz. Foi a coisa excitante. Então eu disse: 'Christina, temos tudo o que as pessoas sonham, exceto alegria. Pelo menos, eu não tenha alegria. “Tínhamos alguns apartamentos e US $ 17.000. Então eu disse: 'Vamos pegar os $ 17.000 e tentar encontrar o significado da vida. Com tanto dinheiro podemos viajar por dois anos. '

OPRAH: Porque você acreditou que nossa única obrigação é honrar nossa lenda pessoal.

PAULO: Absolutamente. Então seguimos nosso caminho. Naquela época - eu tinha 39 anos - decidi que tinha um sonho que não poderia mais viver sem realizá-lo. Isso me matou. Então, desisti de tudo para escrever em tempo integral. Eu estava preocupado em machucar minha esposa e meus pais. Mas percebi que queriam me ver feliz.

OPRAH: E você publicou O Alquimista 1988.

PAULO: E.

OPRAH: Mas você sabe o que? Acho que nem todo mundo sabe qual é realmente sua lenda pessoal - seu propósito, sua vocação. As pessoas sempre me dizem: 'Não sei o que fazer da minha vida'.

PAULO: Você sabe. É muito difícil, Oprah, aceitar que, quando você não aceita, você sabe o que fazer. Porque a partir do momento que você sabe disso, você tem que deixar muitas coisas para trás ou viver com a consciência de que não aprecia plenamente a maravilha dos seres vivos.

OPRAH: Como o comerciante que não foi para Meca O Alquimista. Que sempre quis ir, mas continuou desanimado e finalmente percebeu que nunca iria.

PAULO: sim. Acho que aprendi isso na minha vida.

OPRAH: A razão pela qual muitas pessoas nunca perseguem sua lenda pessoal é o medo do fracasso. Eu amo esta citação de O Alquimista: 'Não ceda aos seus medos', disse o alquimista com uma voz estranhamente suave. 'Se você fizer isso, você não será capaz de falar ao seu coração.'

PAULO: Cada coração está com medo. Um coração é como uma flor, você conhece. Pode ser muito corajoso, mas pode se machucar facilmente.

OPRAH: Mmm-hmm.

PAULO: Já fui derrotado muitas vezes. E ainda tenho medo de muitas coisas. Mas a questão é não desistir.

OPRAH: Tudo bem Quando você era mais jovem, você escreveu isso em seu diário: “A cada dia parece mais difícil realizar meu grande ideal: ser famoso e respeitado, ser o homem que escreveu o livro do século, os pensamentos do milênio, a história da humanidade. '

PAULO: [ Rir ] Bem, sempre fui um pouco megalomaníaco!

OPRAH: Oh meu Deus. Em primeiro lugar, quem está escrevendo isso sobre si mesmo?

PAULO: Alguém que precisa ir para uma instituição mental!

OPRAH: [ Rir ] Você sabia então que o universo iria surgir e conspirar para ajudá-lo? Que você realmente publicaria o livro do século?

PAULO: Provavelmente não. Mas não fui o único jovem que escreveu coisas assim. Se você pensa pequeno, seu mundo será pequeno. Se você pensar grande, seu mundo será grande. No entanto, essa profecia auto-cumprida é muito difícil de explicar.

OPRAH: Eu não consigo superar isso!

PAULO: Mas Oprah, você quer saber: eu escrevi O Alquimista ? Não tenho certeza. Tenho certeza de que fui um bom instrumento. Que passei por todas essas experiências - louca, rejeitada - e depois escrevi um livro que, sejamos honestos, é muito melhor do que eu. Então você segue seu coração e então um dia você manifesta algo. Essa é a verdadeira alquimia.

OPRAH: E.

PAULO: E todo mundo tem essa opção.

OPRAH: Impressionante.

PAULO: Por anos eu não fui tão claro - para usar uma metáfora de O Alquimista. Tive um sonho, mas ainda não ousei realizá-lo. Mas então você começa a prestar atenção e há um símbolo aqui e outro ali e, quando montar o quebra-cabeça, você entenderá.

OPRAH: O alquimista ensina a Santiago: “Escute o seu coração. Ele sabe tudo ... '

[O trovão bate forte ao fundo; uma tempestade se aproxima.]

PAULO: Este é um momento. É um sinal. Não interrompa a entrevista!

OPRAH: [ Rir ] Não vamos! Deus deve ter gostado desta citação. OK. O alquimista Santiago ensina que o coração 'tudo sabe porque vem da alma do mundo e um dia voltará para lá'.

PAULO: E.

OPRAH: Mas quando Santiago procura sua lenda pessoal, ele também encontra forças além de seu controle. Amo o jeito que você escreve que quando ele está no meio do deserto, ele tem que andar por dunas e desviar de obstáculos e tribos que estão em guerra. Mas, desde que volte aos trilhos, pousará no lugar certo. Nossa vida também é assim.

PAULO: Absolutamente.

O autor pratica o tiro com arco, que para ele é uma forma de meditação.
OPRAH: Existem obstáculos que nos tiram do caminho. Mas contanto que você saiba para onde está indo e o que quer ...

PAULO: Lei.

OPRAH: Então deixe-me perguntar isso. Santiago controla seu destino?

PAULO: Mais ou menos.

OPRAH: [ Rir ]

PAULO: Você tem que ... bem, há momentos em que você precisa de disciplina e há momentos em que você só precisa deixar a vida guiá-lo.

OPRAH: Prestando atenção. Para os sinais.

PAULO: Você precisa equilibrar sua força de vontade com a capacidade de relaxar, desfrutar e acompanhar o fluxo.

OPRAH: Isso é muito importante.

PAULO: Existe um ditado zen que basicamente diz quando você quer alguma coisa, afaste-se e deixe essa coisa vir até você.

OPRAH: Portanto, precisamos de força de vontade e entusiasmo, mas então temos que desistir.

PAULO: Absolutamente.

OPRAH: No livro você escreve: “Antes que um sonho seja realizado, a alma do mundo testa tudo o que foi aprendido ao longo do caminho. Não faz isso porque é mau, mas para que possamos não apenas realizar nossos sonhos, mas também dominar as lições que aprendemos em nosso caminho para esse sonho. 'Você escreve, quando os verdadeiros testes vêm,' é aí que a maioria das pessoas desiste. '

PAULO: Isto é. Quando eles estão tão perto Quando este homem me disse O Alquimista por exemplo, não venderia. Impressionante. Agora que decidi ser escritor, queimei todas as minhas pontes e caminhei 800 milhas da França à Espanha no Caminho de Santiago, você está me dizendo que este livro não é bom? Naquele momento, eu poderia facilmente ter dito: 'Ele está certo. Deixe-me escrever outro livro. '

OPRAH: Quando um não é realmente um não? Porque às vezes um não é um Não .

PAULO: Isso depende de. [ Rir ]

OPRAH: Se você ouvir o seu coração, pode nunca ser realmente um não. Ou pelo menos é um bom não - alguém que irá guiá-lo na direção que você deveria seguir.

PAULO: Absolutamente. Posso te contar uma história muito pessoal, Oprah?

OPRAH: Naturalmente.

PAULO: Há cerca de três anos, fiz uma operação ao coração. Eu tinha feito um teste de estresse simples e meus médicos de repente me disseram que eu morreria em 30 dias sem intervenção.

OPRAH: Uau.

PAULO: Mas fui para casa e estava muito relaxado. Pensei: 'Vou fazer uma operação ao coração. Eu posso morrer amanhã. Mas então percebi que, se morrer amanhã, terei passado mais da metade da minha vida com a mulher que amo. Quantas pessoas neste planeta podem dizer isso? É meu quarto casamento, mas estamos juntos há 35 anos. E eu digo a ela 'eu te amo' todos os dias. A segunda coisa que pensei é Eu fiz tudo. Eu estava louco, fui a extremos. Portanto, não tenho nada do que me arrepender, porque fiz tudo.

OPRAH: Você era um hippie em um ônibus galgo.

PAULO: sim. E a terceira coisa que percebi foi que estava lutando pelo meu sonho. Não aceitei não como resposta. Eu queria ser escritor e escrevi. Então eu pensei Se eu morrer amanhã, tudo ficará bem.

OPRAH: Impressionante.

PAULO: Isso foi em 30 de novembro de 2011. Eu sei que um dia vou morrer. E se o fizer, quero morrer com a mesma sensação que tive naquela noite. Saber que combati o bom combate e não perdi a fé.

OPRAH: Essa é uma bela história. Obrigado por compartilhar. E obrigado por me convidar para sua casa.

PAULO: Oprah Winfrey, obrigado por ter vindo. Que Deus te abençoe.

Leia mais: 10 lições de mudança de vida de Paulo Coelhos O Alquimista VÍDEO SEMELHANTE O que é uma lenda pessoal - e você a vive?

Artigos Interessantes