Está fazendo você se sentir péssimo (mesmo que seu médico diga que não há nada de errado)?

transtorno psicossomáticoQuando Suzanne O'Sullivan, MD, era neurologista no Royal London Hospital em 2004, ela foi contratada para tratar pacientes com epilepsia que inexplicavelmente não estavam melhorando. Depois de esgotar os tratamentos padrão, ela suspeitou que sua dor poderia não ser de um problema físico, afinal. O'Sullivan investigou e descobriu que muitos de seus pacientes realmente sofriam de distúrbios psicossomáticos, com estresse psicológico manifestando-se em convulsões e outros problemas físicos. Esse trabalho acabou levando à publicação de seu novo livro. Perguntamos a eles o que todos precisam saber sobre esses transtornos.



F: Quais são os sintomas mais comuns de distúrbios psicossomáticos?
PARA: Dor de cabeça, tontura, perda de memória, dor de estômago, convulsões - seja o que for. Os estados psicossomáticos são definidos pelo fato de que não podem ser atribuídos a um problema médico, como uma lesão, doença ou tumor. O que é importante, entretanto, é que os sintomas são reais.



F: Como você diagnostica esses distúrbios?


PARA: Freqüentemente, baseio meu diagnóstico em sinais que não vão bem com uma doença, mas vão bem com uma doença psicossomática. Por exemplo, quando peço a um paciente psicossomático com um tremor na mão esquerda que bata na mesa com a mão direita, ambas as mãos tendem a tremer no mesmo ritmo. Isso não acontecerá com um paciente com tremores em uma das mãos causados ​​pela doença de Parkinson, que causa o colapso e a morte de células nervosas no cérebro.



F: O que desencadeia os sintomas?
PARA: Pode ser tão profundo quanto romper com um trauma na infância ou pode estar relacionado a um estresse recente, como a perda do emprego.

F: E o que acontece no cérebro do paciente?
PARA: Quando os pesquisadores usaram a ressonância magnética funcional para escanear o cérebro de pessoas com paralisia psicossomática, eles descobriram que a área do cérebro que os pacientes tentam recrutar quando querem se mover não é a mesma área que eles fazem regularmente é afetada. É como se você tivesse treinado negativamente seu cérebro. Assim que o paciente for capaz de reconhecer que o problema é psicossomático, podemos trabalhar no treinamento do cérebro para funcionar normalmente novamente.

F: O diagnóstico psicossomático é difícil para os pacientes aceitarem?


PARA: Pode ser um choque terrível. Algumas pessoas pensam psicossomático significa 'Oh, você diz que não há nada de errado comigo.'

F: É o distúrbio relacionado à hipocondria?
PARA: Para as pessoas com hipocondria, o problema reside mais no medo desproporcional de um sintoma muitas vezes pequeno. Aqueles com doenças psicossomáticas também podem estar preocupados, mas estão lidando com sintomas físicos que os impedem de funcionar normalmente.

F: O que os membros da família devem fazer se suspeitarem que a raiz dos problemas de um ente querido está em sua cabeça?


PARA: Não é aconselhável sugerir à pessoa amada que seus problemas são psicológicos até que ela esteja pronta para aceitá-los por conta própria. Recomendo que a pessoa procure um médico especializado em todos os sintomas físicos, como um cardiologista para palpitações ou um neurologista para dormência ou tremores, mas que também esteja aberto para tratar distúrbios psicossomáticos.

F: Por que é tão importante compreender esses distúrbios?
PARA: Porque se você não os entende, isso leva a um sofrimento desnecessário. As mudanças têm que começar com os médicos. Temos medo de ignorar uma doença, mas esse medo pode significar passar meses procurando uma causa física sem considerar outras opções. Este é o momento em que o paciente teria recebido o tratamento adequado, como psicoterapia, terapia ocupacional ou fisioterapia. Quanto mais cedo você receber o diagnóstico correto, maior será a probabilidade de a pessoa melhorar.

Com os números
$ 256 bilhões: a quantia que o sistema de saúde dos EUA gasta anualmente para tratar pessoas com prováveis ​​distúrbios psicossomáticos (que frequentemente procuram muitos médicos).

Você gostaria que mais histórias como esta fossem entregues em sua caixa de entrada? VÍDEO SEMELHANTE Arranje tempo para uma saúde melhor

Artigos Interessantes